Reprodução Humana Assistida e Parentalidade Responsável
  • Reprodução Humana Assistida e Parentalidade Responsável

reprodução humana assistida e parentalidade responsável

editora: boreal
autor: valéria silva galdino cardin
Disponível Previsão de Postagem em até 2 dia(s) útil(eis) + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.
Promoção de 20% Aproveite logo esta promoção!

Dados Técnicos

Autor:
Encadernação:Brochura
ISBN13:9788584380619
ISBN10:8584380612
Número de Páginas:212
Número Edição:1
Ano Edição:2016

Largura:16
Profundidade:1
Peso:0,36
Altura:23
De R$ 74,00 Por R$ 59,20 ou em até 2x sem juros de R$ 29,60 no cartão
Adicionando ao carrinho.
Clique aqui caso você não seja redirecionado.
ou
Indique este produto
Informações
Selecione a visualização desejada: Lista
Sinopse reprodução humana assistida e parentalidade responsável
O tema que aborda a responsabilidade civil pelos danos oriundos da má utilização das técnicas de reprodução humana assistida ou pelo comportamento negligente da mãe durante o período gestacional, em decorrência da parentalidade irresponsável é objeto de muitas controvérsias na doutrina brasileira e estrangeira, com escassos julgados. Tal fato decorre da condição de vulnerabilidade em que se encontra o embrião in vitro ou o nascituro. Inicia-se a presente pesquisa com a evolução da vida familiar, bem como do comportamento social e do sistema patriarcal que prevaleceu em nosso ordenamento jurídico até o Código Civil de 2002. O planejamento familiar nos primórdios tinha como única função que a mulher procriasse, para ter descendentes que continuassem o culto dos ancestrais sob pena da família ser amaldiçoada. Verificou-se que o direito de família brasileiro sofreu a influência do direito romano, canônico e germânico. Em nosso país as Ordenações Portuguesas, a Constituição Imperial de 1824, a Constituição Republicana de 1891, as Constituições de 1934, de 1937, de 1946, de 1967 com a emenda de 1969 até o Código Civil de 1916, dispensaram um tratamento à família de cunho apenas patrimonial. Com a Constituição Federal Brasileira de 1988, a família alçou um patamar constitucional, onde houve a consagração da liberdade ao planejamento familiar atrelado ao exercício da paternidade responsável e ao princípio da dignidade da pessoa humana, podendo qualquer pessoa recorrer às técnicas de reprodução humana para a realização do projeto parental. Contudo, estas técnicas quando mal utilizadas ou quando houver o comportamento negligente da gestante ou de terceiro e acarretar danos nefastos ao embrião in vitro ou ao nascituro, as consequências destes o perseguirão ao longo de sua existência, inviabilizando, assim um desenvolvimento psíquico ou físico adequado, gerando, portanto responsabilidade civil para os agentes morais (pais) pelos danos morais e materiais em decorrência da parentalidade irresponsável, o que é rechaçado pela teoria da imunidade parental, que na verdade deveria ser o contrário, porque eticamente os pais deveriam ter para com os filhos o compromisso de assegurar a integridade física e mental dos mesmos. Por fim, traçou-se um paralelo com a legislação portuguesa, que já possui uma lei específica acerca das técnicas de reprodução humana assistida e que se necessário pode ser utilizada as regras gerais da responsabilidade civil na hipótese abordada. Já...

Reprodução Humana Assistida e Parentalidade Responsável

Reprodução Humana Assistida e Parentalidade Responsável
De R$ 74,00 Por R$ 59,20 ou em até 2x sem juros de R$ 29,60 no cartão
Adicionando ao carrinho.
Clique aqui caso você não seja redirecionado.
ou