Central de Vendas (11) 4772-0101

Nova Obscuridade, A

Mais informações
Autor:
Jürgen Habermas (veja mais livros deste autor)
Editora:
UNESP(veja mais livros desta editora)

Produto indisponível no momento, quer ser avisado?

Preencha os dados abaixo para ser avisado quando retornar.

Desejo receber newsletter
No momento não temos o produto disponível em nosso estoque.
Avalie:

Um dos principais eixos temáticos desta coletânea diz respeito ao neoconservadorismo. O assunto abre e perpassa todos os textos aqui reunidos, que remetem ainda a diferentes aspectos da defesa de Habermas da continuidade do projeto de modernidade. Se m abandonar a dimensão teórica, o filósofo, conhecido por seu engajamento político, coloca-se como “contemporâneo político” e assume posições acerca de questões públicas candentes ainda hoje – escrita em 1985, a obra reflete sobre problemas e tensões de uma década crucial para a sobrevivência e maturação do projeto democrático não apenas na Alemanha. No campo teórico, Habermas procura distinguir o velho e o novo conservadorismo – o primeiro marcado por uma rejeição integral à modernidade e um ap ego fiel às formas de vida tradicionais, e o último por uma reconciliação seletiva e negociada com os processos inacabados de modernização. Para ele, o neoconservadorismo, assim como o velho conservadorismo, combate a modernização cultural, mas o faz em nome do aprofundamento dos processos de modernização social. E são esses dois conceitos que o filósofo considera fundamental distinguir em uma teoria da modernização. Enquanto a modernização cultural, descrita como a racionalização comunicativa d o mundo da vida, torna as tradições vulneráveis à “força explosiva” do questionamento e da crítica intramundana, a modernização social transforma as formas de vida tradicionais segundo o movimento de monetarização e burocratização das estruturas soci ais, pautando-se pelos meios empobrecidos do poder e do dinheiro. A teoria é o pano de fundo das posturas propositivas defendidas pelo filósofo, que busca interferir no debate público, identificando e combatendo os principais adversários de suas posi ções. No artigo “Desobediência civil: a pedra de toque do Estado Democrático de Direito”, publicado pela primeira vez na revista Merkur, ele propõe o debate sobre o tema, mas recorre à herança teórica para defender a modificação de padrões de interpr etação e aplicação do direito, combatendo a tipificação penal de protestos públicos não violentos sustentada por membros da Corte Constitucional alemã e juristas de renome.

Código de barras:
9788539305520
Dimensões:
0.00cm x 14.00cm x 21.00cm
Edição:
1
Marca:
UNESP
Idioma:
Português
ISBN:
9788539305520
ISBN13:
9788539305520
Número de páginas:
388
Peso:
480 gramas
Encadernação:
Brochura