Psicanálise Sem Édipo?: Uma Antropologia Clínica da Histeria em Freud e Lacan - Coleção Filô
  • Psicanálise Sem Édipo?: Uma Antropologia Clínica da Histeria em Freud e Lacan - Coleção Filô

psicanálise sem édipo?: uma antropologia clínica da histeria em freud e lacan - coleção filô

0
editora: autentica
autor: philippe van haute
tradutor: mariana pimentel
Disponibilidade: Sob Encomenda Este produto não está disponível para entrega imediata e será encomendado junto à editora. Previsão de postagem em até 7 dia(s) útil(eis) + tempo de transporte (conforme frete escolhido), após a confirmação do pagamento.

Dados Técnicos

Autor:
ISBN13:9788551301203
ISBN10:8551301209
Número de Páginas:208
Número Edição:1
Ano Edição:2016
De R$ 54,00 Por R$ 45,90
Adicionando ao carrinho.
Clique aqui caso você não seja redirecionado.
ou
Indique este produto
Informações
Selecione a visualização desejada: Lista
Sinopse:
"Em Psicanálise sem Édipo?, Philippe Van Haute e Thomas Geyskens partem dos estudos de Freud e de Lacan sobre a histeria a fim de defender duas teses maiores. Primeiro, trata-se de se perguntar sobre o que existe na latência da teoria freudiana da sexualidade, para além da insistência no caráter normativo de modelos de socialização do desejo baseados na estrutura de conflitos própria ao complexo de Édipo. Essa latência indica a possibilidade de uma peculiar “psicanálise sem Édipo”, a saber, uma psicanálise mais capaz de lidar com a polimorfia da sexualidade humana. Nesse sentido, os esforços de Van Haute e de Geyskens se inscrevem em uma elaboração psicanalítica original do impacto da crítica do familiarismo, tal como desenvolvido em um importante setor da filosofia contemporânea, como podemos ver, por exemplo, em Foucault e em Deleuze e Guattari. No entanto, o verdadeiro objetivo se desvela mais à frente, explicitando-se no último capítulo deste impressionante livro. Trata-se da defesa de uma antropologia filosófica baseada naquilo que os autores entendem por “patoanalítica”. Abandonando o esquema tradicional de compreensão das relações entre normalidade e patologia, na qual uma antropologia normativa encontra expressão perfeita em um conceito de normalidade que servirá de orientação para as múltiplas modalidades de intervenção clínica, Van Haute e Geyskens procuram inverter esse sistema de valores. Dessa forma, as patologias se demonstram indissociáveis das formas de expressão da antropologia. Como dizia Lacan, não há sujeito sem sintoma. Da mesma forma, não há antropologia, não há reflexão sobre a natureza humana sem pathos. Tal perspectiva nos abre a orientações inovadoras, tanto para a clínica quanto para a reflexão filosófica. Pois se trata, por um lado, de se perguntar o que significa curar um pathosque expressa, à sua maneira, oque define a especificidade do anthropos. Não seria o caso de inicialmente denunciar, como condição para toda forma de “cura”, a verdadeira pedagogia do desejo que parece assombrar nossos conceitos de normalidade? Por outro lado, aparece uma antropologia que se serve continuamente da produção de anomalias e desvios como condição para sua própria realização, o que nos leva a uma visão muito mais rica e complexa da experiência humana. Vladimir Safatle"
Nenhuma avaliação feita até o momento. Seja o primeiro a avaliar este produto

Psicanálise Sem Édipo?: Uma Antropologia Clínica da Histeria em Freud e Lacan - Coleção Filô

Psicanálise Sem Édipo?: Uma Antropologia Clínica da Histeria em Freud e Lacan - Coleção Filô
De R$ 54,00 Por R$ 45,90
Adicionando ao carrinho.
Clique aqui caso você não seja redirecionado.
ou